WhatsApp Pay: Serviço tem potencial para ganho de escala

O WhatsApp Pay tem potencial para mudar a forma como os brasileiros fazem transações financeiras no dia a dia. Segundo especialistas e instituições ouvidas pelo Valor, a solução pode ganhar escala em alta velocidade, a exemplo do Pix, o sistema de pagamentos instantâneos capitaneado pelo Banco Central.

De acordo com o diretor-executivo de Soluções da Visa do Brasil, Juliano Manrique, uma pesquisa encomendada pela empresa mostra que 80% da base de usuários da bandeira declara interesse em fazer transferências e, futuramente, pagamentos pelo WhatsApp. “O canal digital tem potencial para substituir a parte de transações com dinheiro físico”, aponta ele.

“O potencial é ilimitado”, afirma Julio Zaguini, CEO da Botmaker no Brasil, uma das parcerias oficiais do WhatsApp para a implementação de APIs. “Se a operação for simples vai ser adotada em massa, porque é natural que o usuário adote o caminho mais fácil”, resume o especialista.

Para Manrique, da Visa, “uma vez cadastrados os cartões, simplesmente faço uma transferência com quatro cliques na tela”. Conforme o diretor de meios de pagamentos do Banco do Brasil, uma das nove instituições que faz parte da etapa de lançamento do sistema, “a experiência para o cliente vai ser muito amigável, porque durante uma conversa posso automaticamente fazer um transferência, quase como colocar uma foto e mandar”, afirma o executivo.

Na visão do professor do Centro de Estudos de Microfinanças e Inclusão Financeira da FGV (FGVcemif), Adrian Cernev, “o WhatsApp Pay é um grande player pelo tamanho que tem no Brasil, mas do jeito que está ainda não muda o mercado, que já vinha acontecendo com o Pix”. Para o pesquisador, “quando ele for autorizado a ser uma ‘wallet’ [carteira digital], aí sim ele ganha mercado.”

Cernev acredita que o BC “acertou em autorizar só agora com o Pix [já em operação], porque do contrário a solução tinha chance de dominar o mercado”. Para o professor da FGV, “seria como trocar um mercado concentrado em bancos, para uma Big Tech; evitamos ser uma China”.

Notícias