Botmaker torna sua plataforma 100% self-service

A plataforma para desenvolvimento de bots multicanal e atendimento híbrido da Botmaker agora é 100% self-service e está disponível de graça durante a quarentena. A solução, acessível na web, permite que empresas de qualquer porte criem e gerenciem bots e posições de atendimento remoto humano em diversos canais, como WhatsApp, Messenger, site na web, Telegram, Slack, dentre outros. Inicialmente há três templates disponíveis: atendimento, vendas e suporte. Outros serão oferecidos futuramente. A plataforma é trilingue (inglês, espanhol e português) e conta com um motor próprio de processamento de linguagem natural.

A solução da Botmaker já estava disponível para gerenciamento na web, mas sua contratação dependia do time de vendas da companhia. A novidade agora é a possibilidade de o processo de cadastro e compra ser feito inteiramente online, sem precisar de um contato com a equipe comercial da Botmaker. O processo self-service facilita a adesão de empresas de pequeno porte.

“Nosso produto é bem elástico: atendemos desde pequenas e médias empresas, até grandes corporações. Vai desde o delivery de hamburguer até entrega de água de uma grande fabricante de bebidas, passando por startups no meio”, comenta Fernando Strabelli, country manager da Botmaker, em conversa com Mobile Time. Para grandes empresas, o atendimento continua sendo feito pelo time de vendas da Botmaker.

Além de atrair novos clientes, a gratuidade temporária traz outros benefícios. “Queremos gerar tráfego para dentro da plataforma. Em contrapartida, aprenderemos sobre sua usabilidade”, explica o executivo.

A Botmaker é uma parceira homologada com acesso à API do WhatsApp Business, mas cabe ressaltar que a gratuidade da sua plataforma vale apenas para atendimento receptivo, não para disparo de notificações pelo aplicativo de mensageria.

Quando encerrar a quarentena, a companhia voltará a cobrar pelo uso da sua plataforma, cujo modelo de negócios consiste na venda de pacotes de conversas de 24 horas de duração cada. O preço médio gira em torno de R$ 0,25 por conversa.

Pro-bono

Ao mesmo tempo, a Botmaker está ajudando governos de diferentes países a construirem bots para informar a população sobre o combate ao novo coronavírus. A iniciativa é pro-bono. Governos na Argentina, no Chile e no Uruguai, assim como alguns estados brasileiros, aceitaram a ajuda. Os servidores públicos estão sendo capacitados pela Botmaker para gerirem esses bots.

“É gratificante percebermos que de alguma forma conseguimos ajudar. E temos que segurar um rojão, porque tem custo de processamento envolvido. Mas estamos fazendo a nossa parte”, diz Strabelli.

Notícias